PABX 19 3232 4468
contato@pascioloassessoria.com.br
Área Restrita

O empregador pode obrigar o funcionário a se vacinar contra a Covid-19


Perante a lei, os empregadores são obrigados a fornecer Equipamento de Proteção Individual (EPI) aos colaboradores da empresa, além de também orientá-los sobre o uso adequado e fiscalizar o manuseio destes produtos. 

Legalmente, esta imposição foi feita no intuito de assegurar a saúde e promover a segurança dos funcionários durante o exercício de atividades profissionais que causam riscos à saúde ou à integridade física.

Portanto, a ausência ou não da vacina implica diretamente na saúde dos trabalhadores em uma empresa, fato incontestável.

Entretanto, as campanhas de vacinação são atos referentes a questões de saúde pública, e não laboral.

Por outro lado, a Corte Suprema ainda não se posicionou sobre a obrigatoriedade ou não da vacina, embora haja incentivos que a caracterizam como uma opção.

Tal fator seria capaz de afetar a exigência da vacinação para o funcionário de uma empresa retornar ao trabalho ou a possibilidade de apresentar um atestado médico justificando o fato de o cidadão ter decidido não tomar a vacina. 

Diante do poder de direção do empregador, é importante ressaltar que ele seria capaz de dar uma advertência ao empregado que não corresponder às exigências da empresa.

Entretanto, é necessário compreender que a aplicação de uma advertência poderá ser vista como uma medida tênue, se comparada ao risco ao qual o funcionário se expõe, bem como, todos aqueles com quem convive devido à não imunização contra o vírus. 

Sendo assim, a conclusão mais lógica segundo o Supremo Tribunal Federal (STF) seria a de que, as empresas não podem obrigar os colaboradores a se vacinarem, contudo, podem exigir o comprovante de vacinação para entrar nas dependências da empresa.

Isso possibilita a execução remota dos serviços mediante as tecnologias disponíveis atualmente, capazes de resolver a situação daqueles que ainda não se sentem confortáveis para se vacinar.

O problema se encontra naqueles que exigem e necessitam da presença do funcionário no local de trabalho.

Sendo assim, conclui-se que ninguém pode ser vacinado à força, por outro lado, há a possibilidade de impedir a entrada no ambiente de trabalho sem a vacina, diante das políticas internas da empresa.

Isso quer dizer que, se o empregador requerer a apresentação do comprovante vacinal, e o funcionário desobedecer essa regra, será cabível a aplicação de punições como advertência ou suspensão.

Embora haja o entendimento de que a demissão decorrente da não comprovação da vacina pela exposição do funcionário ao risco do contágio, é pouco provável que tal decisão seja revertida, sendo assim, a demissão por justa causa, neste caso, se torna alvo de debates constantes.

Outra situação que ressalta tal possibilidade é regulamentada pela Lei nº 14.019, de 2020, que no Artigo 3º dispõe sobre o fornecimento de máscaras aos trabalhadores por parte da empresa, bem como demais equipamentos de proteção individual (EPIs).

A mesma lei alega que as empresas têm a responsabilidade de fiscalizar o uso dos EPIs sob pena de serem multadas pelo descumprimento.

Desta forma, entende-se que o simples fato de haver uma lei que obriga o trabalhador a usar a máscara com o objetivo de proteger o coletivo, o mesmo vale para a vacina.

No entanto, é importante destacar e diferenciar a vacina obrigatória para a forçada, pois são circunstâncias opostas.

Isso porque, mesmo que a vacina seja obrigatória, o cidadão não será forçado contra a vontade própria, o que pode acontecer como um incentivo à vacinação, é a execução de atitudes indiretas que possam influenciar a premissa.

Um bom exemplo é o aumento das medidas restritivas de iniciativas e atitudes, bem como de circulação, voltadas para o indivíduo que não quis ser imunizado, com o objetivo de não comprometer a saúde das pessoas ao redor.

E foi justamente essa a atitude do Supremo Tribunal Federal (STF), assim, se o empregado não quiser tomar a vacina contra a Covid-19, além da obrigatoriedade ser considerada como um ato constitucional, o empregador estará apto a aplicar sanções e punições para essas pessoas.

Portanto, nesta circunstância, a dispensa por justa causa seria baseada na insubordinação do empregado, na hipótese de a vacina ser uma condição para que o trabalhador dê continuidade à prestação de serviço de maneira presencial e regular. 

Nenhum empregado é obrigado a manter o vínculo trabalhista com o funcionário que, por escolha própria, coloca a saúde dele e dos colegas em risco, de maneira que a empresa tem o poder de tomar medidas coercitivas que assegurem a saúde de todos.

INFORMAÇÕES ONLINE

Essas informações ajudam os nossos clientes a se manterem atualizados e bem informados à respeito das atualizações da legislação vigente, pagamento de impostos e obrigações diversas, e ainda trazem orientações sobre gestão empresarial.


COTAÇÕES E ÍNDICES

Moedas - 25/02/2021 4:14:46 PM
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 5.503
  • 5.505
  • Paralelo
  • 4.950
  • 5.470
  • Turismo
  • 5.470
  • 5.810
  • Euro
  • 6.726
  • 6.731
  • Iene
  • 0.052
  • 0.052
  • Franco
  • 6.092
  • 6.097
  • Libra
  • 7.776
  • 7.783
  • Ouro
  • 313.940
  •  
Mensal - 14/12/2020
  • Índices
  • Out/20
  • Set/20
  • Inpc/Ibge
  • -
  • -
  • Ipc/Fipe
  • 1.00
  • 1.00
  • Ipc/Fgv
  • -
  • -
  • Igp-m/Fgv
  • 3.00
  • 4.00
  • Igp-di/Fgv
  • 3.00
  • 3.00
  • Selic
  • -
  • -
  • Poupança
  • -
  • -
  • TJLP
  • 4.00
  • 4.00
  • TR
  • -
  • -

AGENDA TRIBUTÁRIA

  • 26/Fevereiro/2021 – 6ª Feira.
  • COFINS/PIS-PASEP | Retenção na Fonte – Autopeças.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração mensal.
  • IRPJ/CSL | Imposto de Renda Pessoa Jurídica e da Contribuição Social sobre o Lucro | Apuração trimestral.
  • IRPJ | Renda variável.
  • IRPJ/Simples Nacional | Ganho de Capital na alienação de Ativos.
  • IRPF | Imposto de Renda Pessoa Física.
  • REFIS/PAES | Programa de Recuperação Fiscal.
  • REFIS | Programa de Recuperação Fiscal.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro | Profut | Parcelamento de débitos junto à RFB e à PGFN.
  • Previdência Social (INSS) | Programa de Recuperação Previdenciária dos Empregadores Domésticos - Redom (Parcelamento de débitos em nome do empregado e do empregador domésticos junto à PGFN e à RFB).
  • Contribuição Sindical Patronal (autônomos e profissionais liberais)
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • DOI | Declaração de Operações Imobiliárias.
  • DME | Declaração de Operações Liquidadas com Moeda em Espécie.
  • Operações com criptoativos.
  • IPI (DIF-Papel Imune)
  • Comprovante de Rendimentos - Pessoas Físicas
  • Comprovante Anual de Retenção do IRPJ/CSL/Cofins/PIS-Pasep
  • Comprovante Anual de Retenção da CSL/Cofins/PIS-Pasep
  • Informe de Rendimentos Financeiros - Pessoas Físicas
  • Comprovante Anual de Rendimentos - Pessoas Jurídicas
  • Comprovante Eletrônico de Rendimentos Pagos e de Imposto de Renda Retido na Fonte
  • Comprovante Eletrônico de Pagamentos de Serviços Médicos e de Saúde
  • Declaração de Serviços Médicos e de Saúde (Dmed)
  • Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias (Dimob)
  • e-Financeira
  • Declarações com operações de cartão de crédito (Decred)
  • Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (Dirf)



   ÁREA RESTRITA

Rua Padre Vieira, 610 - Centro
13015-130 Campinas, SP
PABX 19 3232 4468 | contato@pascioloassessoria.com.br